Covid-19

"Após o coronavírus, o mundo não voltará a ser o que era", diz especialista

Entrevista foi ao programa Roda Viva e teve grande impacto

31/03/2020 16h01Atualizado há 6 meses
Por: Pietro Lima
104
[TV Cultura/ Reprodução] O biólogo Átila Iamarino, no Roda Viva, da TV Cultura
[TV Cultura/ Reprodução] O biólogo Átila Iamarino, no Roda Viva, da TV Cultura

A entrevista do biólogo Átila Iamarino no programa Roda Viva, da TV Cultura, de São Paulo, na noite de segunda-feira, continua repercutindo. Umas das vozes no Brasil mais ponderadas e didáticas nesta crise causada pela pandemia de COVID-19, ele reafirmou o que vem dizendo em vídeos na internet que já foram vistos por mais de 5 milhões de pessoas: “Não quero dizer que o mundo que a gente vivia nunca mais vai voltar, mas não é para ele que vamos voltar. Vai ser diferente, talvez mais unido”.

 Formado pela USP, onde fez doutorado em microbiologia, e com pós-doutorado em Yale (EUA), o biólogo foi um dos primeiros a prever a morte de até 1 milhão de brasileiros, caso as medidas de isolamento social suspensão de atividades não fossem aplicadas. Para isso, se embasou em estudo do Imperial College de Londres. Como quase a totalidade das autoridades de saúde, Átila defende o isolamento social como forma mais eficaz para conter a disseminação do novo coronavírus, mesmo que isso seja sacrificante para muitos. "Ainda vamos demorar muito para circular pelas ruas e nunca mais o faremos como antes. Enquanto não existirem testes e vacina contra coronavírus, certamente usaremos máscaras. Isso só não é feito hoje porque não há máscaras suficientes disponíveis (e a prioridade é para profissionais de saúde), e não porque não deveríamos usá-las", disse.

"Está provado que as cidades onde sempre se usou máscaras se recuperaram mais rapidamente”. Átila criticou o chamado isolamento vertical proposto pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que só atinge pessoas dos grupos considerados de risco, como aqueles acima de 60 anos. Segundo ele, não há base científica nem mesmo para se começar uma discussão nesse sentido e, quando houver, é algo que “precisa ser testado. Aí, sim, podemos falar a respeito”.

Como tudo nos último anos no Brasil, a questão de saúde pública também ganhou contornos políticos. O biólogo, porém, procurou evitar a polarização e destacou que o importante é que todos unam esforços para minimizar riscos e poupar vidas durante a pandemia. "A gente depende das ações que estão sendo tomadas. Os estados todos pararam a circulação, colocaram as pessoas em quarentena, restringiram o comércio. Eu sinto que a gente está em um momento em que a casa está pegando fogo, a gente quer tirar todo mundo de casa para não perder ninguém e não importa quem acendeu o fogo, se o bombeiro é de direita ou de esquerda. Estão tomando ações para fazer isso? Está ótimo. Se estiver atrapalhando o que os estados estão fazendo, está atrapalhando o que o mundo inteiro está fazendo”, afirmou.

Ele ressalta ainda que apenas um país, a Belarus, não adotou medidas para tentar conter o novo coronavírus. E defende que o investimento em ciência volte a todo vapor no Brasil. “O Brasil está parado numa fase de não investir na ciência nacional. Isso não é uma coisa de agora. É uma coisa que vem de longa data. Nós temos pessoas que estão preparadas para fazer testes, mas que descobriram recentemente que tiveram suas bolsas científicas cortadas”, disse ele, referindo-se a um amigo pesquisador. 

 

Repercussão

As declarações de Átila repercutiram bastante nas redes sociais, com a entrevista sendo um dos assuntos mais comentados do Twitter na manhã desta terça-feira (31). Até quem é apoiador incondicional do presidente Jair Bolsonaro elogiou a postura do biólogo.

 “Muito boa e esclacedora a entrevista no Roda Vida”, publicou o apresentador Ratinho, do SBT. ”Isso aponta que vamos ter de rever muitas coisas daqui para frente, atitudes e comportamentos”. 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.