Emprego

Pará encerra o ano como maior gerador de empregos formais no Norte

Os dados são do Dieese em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho e Renda (Seaster)

26/12/2020 17h22
Por: Pietro Lima
740
Foto: Ag. Pará
Foto: Ag. Pará

Mesmo em um cenário adverso, devido a pandemia de covid-19, o Estado do Pará encerra o ano de 2020 com o título de maior gerador de empregos formais entre os estados da região Norte, e ainda em quarto lugar no ranking de gerador de empregos em todo o país. Segundo o Estudo do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o Pará gerou, só no mês de novembro, cerca de 6.215 postos de trabalhos formais, e no ano, entre janeiro e novembro, um total de 38.234 postos de trabalhos, grande parte nos setores de serviço, construção civil, comércio e indústria.

Os dados são do Dieese em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho e Renda (Seaster), a partir de informações do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

Segundo o Secretário de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda, Inocencio Gasparim, os números positivos são resultado do esforço do Governo do Estado ao incentivar politicas públicas de empregabilidade, junto ao setor empresarial, em meio ao processo de retomada da economia. "Todos nós sabemos do choque que a pandemia da Covid-19 gerou sobre a economia brasileira, apesar deste cenário, o Pará se manteve com saldos positivos, principalmente em relação ao aumento de postos de trabalho formais. Através do "Retoma Pará", o governo possibilitou que obras fossem iniciadas, que empresas que estavam em processo de abertura de loja ou contratação retomassem as contratações, e que atividades de serviço fossem desenvolvidas, por isso, hoje, alcançar o melhor resultado entre os estados da região Norte, é ter a certeza de que fomos assertivos em nossas escolhas".

Além da retomada de atividades, o secretário ainda destaca a injeção de recursos e a politica de incentivos fiscais desenvolvidas ao longo do ano. "A injeção de recursos por parte do governo do Estado, a antecipação do pagamento do décimo terceiro e o incentivo a políticas públicas de qualificação e empregabilidade, também foram ações fundamentais para o alcance desse resultado. Sem contar com o "Asfalto por todo o Pará" que leva pavimentação asfáltica a diversos municípios, abrindo frentes de trabalho para a mão de obra local", pontuou.

Intermediação

O Governo do Estado, através da Seaster, também atua no no encaminhamento de trabalhadores a ofertas de trabalho, através da intermediação de mão de obra realizada nos 31 postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine) em diversos municípios paraenses. De janeiro a novembro de 2020, essa rede possibilitou a colocação de 3210 trabalhadores no mercado formal em diversas ocupações.

Airton Santos é mestre de obras e trabalha há 35 anos na construção civil. Ele está trabalhando há quatro meses em uma empresa da capital paraense e conseguiu a vaga através do cadastro feito em um dos postos do Sine. "Esse órgão ajuda e muito a quem quer trabalhar, principalmente com construção civil, como eu, porque organiza e indica as vagas que estão abertas, aí conhecemos muita gente e o nosso contato fica sempre disponível e atualizado”, diz ele.

Mesmo em meio a pandemia, o atendimento e a rede de intermediação não parou. A Seaster disponibilizou o aplicativo "Sine Fácil" que garante atendimento ao público interessado sem que as pessoas precisem sair de casa, além de manter os canais oficiais da Seaster, via telefone (91) 3239-1430 ou pelo  WhatsApp (91) 98414-0415.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.